Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

memóriacurta

memóriacurta

impressões gerais II

O governo durão/portas foi importante para a direita portuguesa.

"Abril é evolução", foi um marco: deixa-se cair o "R" e temos cinquenta anos de primavera marcelista (anda por aí um doutor em história que...fixe).

Por outro lado, nada como umas viagens até ao "tea party" para saber como a coisa funciona:  

Começamos com uma guerra para separar as águas (é cá uma coisa que temos com os Abássidas, uma fraqueza).

Na Comunicação social temos tudo tratado, umas armas de destruição maciça e tal, que todos nós vimos com os nossos próprios olhos, Deus seja nossa testemunha, seja eu cego surdo e mudo. Algum pânico e, pronto, atiramos a bomba. É sempre agradável de ver. Sirenes, explosões, gritos. Um magnífico espectáculo, digo-vos. Mas somos pela vida claro, sempre pela vida, até fazemos campanhas e tal. Os gajos é que são malandros (as mulheres e os miúdos são os piores. Intratáveis).

Mas o medo não chega. Arranjar um sacana de um processo. que meta putas. Sim, mas menores e africanas e mães solteiras. Não, africanas não. Não tem grande impacto. E que tal rapazinhos? Resultou na Bélgica. Metíamos assim uns socialistas e estava no papo. O Guterres? Não. Esse ninguém acreditaria. Outros...insinua-se. Certo. Tudo se arranja. Mas com pormenores...sórdidos

A prostituta negra talvez dê jeito lá mais para a frente. Talvez com um francês, verdadeiros devassos.

 

Não é arriscado?

Arriscado? Ó meu amigo, connosco está sempre do lado dos vencedores. Não há que enganar.

O TPI? O nosso futuro?

Eles que se atrevam. Levavam logo com uma bomba. Não se inquiete que têm o futuro assegurado. Faremos por isso.

Alguns negócios duvidosos, que o tempo arquivou, mas que insistem em não ficar escondidos, e outros que vão surgindo apenas por pura distração, que os tribunais já lá não chegam. Alívio de uns e de outros, riqueza de alguns. (eu sou dos que pensam que estes fofinhos da direita liberal portuguesa adoram o Estado e não savem viver sem ele)

 

(O resto da história já conhecem. A partir daqui tudo resolvido, caminho livre que se acabaram os pudores. Serviu basicamente para isso o Governo do Durão. As pessoas que se lixem, que o Expresso e o Correio da Manhã (é pr'ó menino e pr'á menina) tratam de tudo).

Tudo isto antes da crise financeira mundial de 2008. (Crise qual crise? Não soube de nada. Nada ouvi)

 

Voltamos a 2011 e a 2015.

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D